“AS BORBOLETAS SEMPRE VOLTAM AO JARDIM”

Posted: 08/06/2010 in Psicopedagogia através da Palavra
Tags:

“AS BORBOLETAS SEMPRE  VOLTAM AO JARDIM”.

Os Males e as Tribulações da Vida.

El 4 . 1 à 4 : Depois, voltei-me e atentei para as opressões que se fazem debaixo do sol; e eis que vi as lágrimas dos que foram oprimidos e dos que não têm Consolador; e a força estava da banda dos seus opressores; mas eles não tinham nenhum Consolador. Pelo que eu louvei os que já morreram; mais do que os que ainda vivem. E melhor que uns e outros é aquele que ainda não é; que não viu as más obras que se fazem debaixo do sol. Também vi eu que todo o trabalho e toda destreza em obras trazem ao homem a inveja do seu próximo. Também isso é “Vaidade” e aflição de espírito.

A busca do Pregador é por algum tipo de valor (“Vantagem”)  fixo, imutável que possa ser achado nesta vida (“Debaixo do Sol”), que possa servir como base de uma vida adequada.

Tema: “Que vantagem tem o homem de todo o seu trabalho, que ele faz “debaixo do sol”?” Ou, pode a verdadeira sabedoria ser encontrada por um ser humano à parte da revelação de Deus?

“Vaidade” é uma palavra-chave no livro, traduzida em hebraico hebel (literalmente -“Fôlego”) indicando assim aquilo que é Mortal, transitório e efêmero. Tentando cada um dos caminhos propostos pela humanidade para alcançar o valor procurado, eles os  acha  evasivos (“aflição de espírito”), fugazes e transitórios (“Vaidade”).

O Pregador está determinado a procurar o sentido da vida através da sua própria experiência e observação. Ele chega a uma conclusão que o valor absoluto por um sentido para toda existência não está, ”Debaixo do Sol”, mas “Acima do Sol”: a Reverência ao Criador do Universo. Ec 12.13 De tudo o que se tem ouvido, o fim é: Teme a Deus e guarda os seus mandamentos; porque este é o dever de todo homem.

A sabedoria humana produz valores que são limitados e transitórios e assim traz cansaço.

O insucesso do Pregador em achar valor verdadeiro nas coisas terrenas “embaixo da terra” faz com que ele entre em escuridão e aflição de espírito. A inutilidade dos esforços humanos em mudar a ordem criada, faz com que tudo se torne em “Vaidade”.

Salomão edificou um palácio com lido jardim. Floresceu o comércio e aumentou a riqueza pública, edificou várias cidades. Ele se empenhou em assuntos literários e científicos; escreveu tratados de botânica sobre todas as árvores, desde o cedro que há no Líbano, até o hissopo que brota no muro; tratou dos animais e das aves, dos répteis e dos peixes. Colecionou e compôs muitos provérbios, alguns dos quais ocupam lugar distinto no A.T. São atribuídos a ele os dois Salmos, o 72 e o 127.O esplendor da sua corte, a magnificência de sua mesa e a grande pompa, quando fazia excursões, correspondiam a sua riqueza e ao seu poder político. De todos os povos vinham gente a ouvir a sabedoria de Salomão.

Salomão achou-se dono de tudo, inclusive do povo. Todos existiam apenas para servi-lo. Exigia alta quantia de dinheiro para pagamento de impostos e quando alguém não conseguia pagar, Salomão pegava as princesas ou propriedade, como forma de pagamento. Seu reinado era absoluto.  Ele se considerava o próprio deus. Monarquia Absoluta: quando o rei tem todo o poder e não precisa responder pelos seus atos.  

Quem não sabe fazer a distinção entre poder e dever com relação ao mal, não consegue entender o que significa ser livre. Você pode, por exemplo,  tomar veneno, mas você não deve, porque o nosso organismo não é “livre” para ingerir veneno. A liberdade é um dom maravilhoso que Deus nos deu, para que possamos nos aperfeiçoar através de nossos próprios esforços. É através do pensamento, do sentimento, do uso da razão, da inteligência que somos capazes de planejar e refletir sobre a vida.

Gulliver era um médico que sonhava viajar pelo mundo, vivendo aventuras. Um dia, viu seu sonho realizado. Embarcou no navio Antílope. Mas depois de algumas semanas, o  navio foi destroçado por uma tempestade. Gulliver foi o único que conseguiu chegar a uma ilha desconhecida. Chegou e adormeceu de cansado. Quando acordou, estava totalmente amarrado ao chão por uma infinidade de cordões finíssimos, em uma ilha de pessoas pequenas. Os seus habitantes os liliputianos,  não tinham mais que meio palmo de altura. Mas, como eram milhares, conseguiram imobilizar completamente o gigante Gulliver.

Essa estória serve para mostrar como as pessoas se deixam amarrar. O poeta Fritz Reuter contraiu o vício da bebida, por desespero, durante o longo tempo em que esteve preso. Depois, libertou-se das grades da cadeia, mas nunca se libertou do alcoolismo.

Transformar é dar nova forma, feição ou caráter a; mudar, modificar.

2 Co 3.18 Mas, todos nós , com cara descoberta, refletindo, como um espelho, a Glória do Senhor, somos “TRANSFORMADOS” de Glória em Glória, na mesma imagem, como pelo Espírito do Senhor.

Metamorfose é uma transformação.

Somente quando Salomão volta à essência da Vida e, reconhece a Majestade do Espírito Santo, acontece então o processo da metamorfose. Quando ele sai do casulo e se transforma em uma borboleta.1 Pe 4.2 Para que, no tempo que vos resta na carne, não vivais mais segundo as concupiscências dos homens, mas segundo a vontade de Deus.

 A paixão acaba com a posse do objeto desejado. Quando conquistado sempre vai atrás de outra paixão ,como um hábito ou vício dominador. Mas o amor garante a continuidade. O amor do ponto de vista espiritual ( místico e religioso, não científico) é qualidade espiritual que une as pessoas, que lhes incute  sentimento de comunhão; amor ágape ,cujo estado  emocional é “purificado”. O Amor é altruísta, sentimento de quem põe o interesse alheio acima do seu próprio. Um banquete de confraternização.

 A transformação é substituir a pobreza por riqueza, o cativeiro é trocado por liberdade,  as amarras da concupiscência, da paixão avassaladora por um amor maduro.

Cantares de Salomão. Alegoria espiritual, com o fim único de mostrar o amor de Deus para com seu povo. Deus é o que ama,  e o povo é o amado. Ct 4.16 Levanta-te, vento norte, e vem tu, vento sul; assopra no meu jardim, para que se derramem os seus aromas.

Salomão voa para um Jardim fechado. Um Jardim particular protegido para o uso real. Uma reserva, um lugar separado, uma área semelhante a um parque florestal. Neste Jardim o afeto é mútuo entre Deus e o homem.

Fp 3.21 Que transformará o nosso corpo abatido, para ser conforme o seu Corpo Glorioso segundo o seu eficaz poder de sujeitar também a si todas as coisas.

At 17.28 Porque Nele vivemos, e nos movemos e existimos.

O centro de referência de Salomão passou a ser o Jardim Fechado: ”O Próprio Deus”.

Amadurecido quer dizer: “cheio de graça”. Meio pelo qual a graça de Deus é comunicada às pessoas. Prontos para enfrentar um novo desafio, assistidos pelo Espírito Santo em nossos ajustes e guiar-nos em nossas decisões.

Gulliver só se libertou das amarras quando fez amizade com os minúsculos anões. Quando ele começou a analisar a vida para uma transformação positiva. Quando conseguiu analisar que ser gigante fisicamente não era conteúdo emocional, mas, grande era conseguir desenvolver a capacidade de pensar, analisar, reestruturar, remover obstáculos para poder se libertar. 

Salomão conseguiu se libertar do mundo exterior quando começou explorar o mundo interior.  Descobriu a causa de suas dificuldades, a ampliação de suas potencialidades. Compreendeu suas percepções da realidade objetiva, a autoanálise, o autoconhecimento e, reconheceu suas limitações: ”Condição de superioridade”.

A criança no útero da mãe é uma personalidade individual, embora fazendo parte integrante da mãe. O cristão retém igualmente a sua personalidade individual enquanto está em Cristo. Esta expressão descreve a intimidade da relação entre Deus e o homem. O princípio de crescimento da árvore começa no interior e se manifesta exteriormente. O crescimento espiritual do homem tem sua origem na vida interior e não nas circunstâncias externas. As palmeiras podem suportar muitas adversidades e mesmo assim continua crescendo; mas, se a parte interna da palmeira apodrecer, ela começa a murchar e morrer.

O Espírito Santo amadurece os cristãos segundo o princípio de crescimento da árvore, sendo aquela vida interior que produz fruto espiritual na vida exterior. Atos 26. 18 “Para lhes abrires os olhos e das trevas os converteres à luz”.

Propriedade particular é reconhecer o Senhorio de Deus e, conseguir encontrar o caminho para a formação da inteligência e do caráter; das virtudes humanas e da justiça. A garantia de liberdade de ação e de pensamento. Jo 14.26 Esse vos ensinará todas as coisas e vos fará lembrar de tudo o que vos tenho dito.

“A Borboleta sempre volta ao Jardim”. Ela voa para a liberdade de consciência, de pensamento e de ação. Assegura uma vida independente de amarras. Tem a capacidade de dominar-se a si mesmo, de estar livre, governar o próprio destino. O seu objetivo: as alturas, o vento, o ar, o perfume das flores, o repouso nos frutos saborosos, o limite entre o céu e a terra, a felicidade, o amor, enfim, a “VIDA”.

Ct 2.1 Eu sou a rosa de Sarom, o lírio dos vales. 3.Qual a macieira entre as árvores do bosque, tal é o meu amado entre os filhos; desejo muito a sua sombra e debaixo dela me assento; e o seu fruto é doce ao meu paladar.5-Sustentai-me com passas, confortai-me com maçãs, porque desfaleço de amor. A sua mão esquerda esteja debaixo da minha cabeça, e a sua mão direita me abrace. 8-Esta é a voz do meu amado; ei-lo aí, que já vem saltando sobre os montes, pulando sobre os outeiros. 12. Aparecem as flores na terra, o tempo de cantar chega, e a voz da rola ouve-se em nossa terra. 13. A figueira já deu os seus figuinhos ,  e as vides em flor exalam o seu aroma.l6. “O meu Amado é meu, e eu sou Dele”. 5: 13,16 Os teus renovos são um pomar de romãs, com frutos excelentes; o ciprestes e o nardo, o nardo e o açafrão, o cálamo e a canela, com toda a sorte de árvores de incenso, a mirra e aloés, com todas as principais especiarias. És a fonte dos jardins, poço das águas vivas, que correm do Líbano! Levanta-te, vento norte, e vem tu, vento sul; “Assopra no meu Jardim”.

Cantares de Salomão é uma alegoria do amor do Senhor pelos seus filhos. Uma ficção que representa uma coisa para dar ideia à outra. Exposição dum pensamento sob a forma figurada. Obra artística que representa uma ideia abstrata mediante formas que a tornam compreensível.

 O amor de Deus é o verdadeiro amor. Não pede presentes e não tem dia especial, pois todos os dias é tempo de amar e ser amado. Ct 8:6,7 As suas brasas são brasas de fogo, labaredas do Senhor. As muitas águas não poderiam apagar esse amor nem os rios afogá-lo.

Pastora e Psicopedagoga: “Mônica Druzian”.

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s